Translate

miércoles, 27 de mayo de 2015

Sentir a poesia

Para mim a poesia e mais que um refugio, e um desabafo;
Tiro  de mim coisas que me incomodam na alma, e ao
mesmo tempo me acalma...

martes, 26 de mayo de 2015

Tocar o fogo.

A solidão e seus múltiplos silêncios,
Consumir o que faltava, sobrevivendo,
Nos extraviamos, na pureza que criamos
Um minuto imóbil e não pude defender-te
Sabia o que pensavam teus olhos de mel sombrios,
Mas nos sonhos que existias havia prazer vinho e cólera
Definitivamente não existe o absoluto,mas o que importa,
se já tocamos o fogo...









miércoles, 20 de mayo de 2015

Aves migratórias.

Quando o tempo dormia sem rumores e eramos ingênuos,
buscávamos a mesma coisa,
Quando fomos capazes de pagar o saldo do fim da nossa inocência,
descobrimos nossos inimigos,
Quando por fim as lembranças ficaram opacas e começamos a odiar-nos,
percebemos por primeira vez algum desafio,
E o silencio chegou  a queima roupa, afirmando-se em preságios
Exumando lentamente velhas verdades,desconhecendo o conhecido;
Tudo parece leviano nessa filosofia cheirado a naftalina,
Quando o mundo era nossa casa não tínhamos destino;
Eramos aves migratórias...




martes, 12 de mayo de 2015

Dados

Pequenas mãos que roubaram estrelas, sigilosamente fostes inverno,
E algum dia preferi calar o teu nome, mais o vento trazia tua presença inadvertida
Mais agora sobre ti caminha a tua insuficiência, e lutar corpo a corpo não faz mais sentido
O amor parecia um abismo, um medo misterioso, como antiga doçura estremecida;
Por isso o fogo as vezes morre, ou encontra velhos manantiais de desordem e olvido

Dormindo longe penso: Quem me controla?
Quem joga os dados?
Já nos levaram tantas vezes para verter sangue, afinal queria tanto conhecer a cara
do verdugo e da vingança,
Conhecer o gosto daquela água transformada em vinho, e ver meus inimigos com novos olhos
de esperança...

 


miércoles, 6 de mayo de 2015

Realidade imediata

As vezes tenho febre, e me incomodam alguns pormenores,
Penetro céus e nuvens, e recortes sombrios e inúteis,
procurando entender se o que vemos e apenas uma realidade
imediata inventada no exato segundo em que a temos.
E agora que entendi que a paciência é como morfina que nos
atrapa com carências que enganam;o que faço para não mendigar
mais um futuro real??
As vezes tenho febre, e me incomodam alguns pormenores.